Evereste por Ricardo Costa

Evereste-filme-poster-1Sinopse: Inspirado nos incríveis acontecimentos envoltos na tentativa de atingir o cume de montanha mais alta do mundo em 1996, “Evereste” documenta a inspiradora jornada de duas expedições em que todos os limites foram desafiados por uma das mais violentas tempestades de neve que a humanidade assistiu. Enquanto as suas energias são postas à prova pelos elementos mais severos no planeta, os alpinistas vão enfrentar obstáculos quase impossíveis quando uma obsessão de vida se torna uma luta pela sobrevivência.

Análise: Em cada filme que se anuncia como sendo “baseado em factos reais”, tal pode ser visto como sendo à prova de critica pois relatando acontecimentos verídicos, é considerado como “não sendo justo” apontar falhas ao argumento, no entanto, para merecer tal isenção, é necessário que haja a sensibilidade de transpor esses acontecimentos para o grande ecrã, sem que se sacrifique a honestidade em prole das típicas convenções de Hollyhood. Eis que nos deparamos com “Evereste”, um filme que embora comercializado como um thriller nas montanhas de homens à mercê de desastres naturais a grandes altitudes que têm como objetivo atingir o pico da montanha mais alta do mundo, é na realidade um poderoso drama sobre as motivações que levam alguém a propor-se a um desafio tortuoso e os limites das condições físicas humanas quando confrontados com condições ambientais adversas (não propriamente desastres pontuais), uma surpresa bem recebida da minha parte.everest_2

Muita atenção é dada ao desenvolvimento das personagens, o que para alguns pode ser problemático em termos de ritmo, mas que é essencial para criar o elo emocional com a audiência no momento em que a aventura começa a dar indícios de complicações para além das previstas. É feita também uma boa introdução ao alpinismo para os menos aficionados no assunto, dando especial ênfase, no caso especifico desta montanha, ás condições meteorológicas que rapidamente se podem alterar e aos efeitos físicos e psicológicos que o ambiente montanhoso pode ter sobre o corpo humano, com a agravante de que a partir de uma dada altitude, o corpo começa literalmente a falecer. O filme dá por vezes indícios de que podem surgir alguns conflitos entre os alpinistas devido às motivações e competitividade de onde podem advir alguns momentos de maior suspense, no entanto tal não chega a acontecer, porque existe plena consciência por parte dos intervenientes da importância real em seguir as regras de segurança e os actores encarregam-se de mostrar isso mesmo com bastante naturalidade.

Desengane-se quem pensa que vai ver uma película de desastres ao estilo Roland Emmerich como “O Dia Depois de Amanhã” o até “San Andreas de Brad Peyton, pois na verdade, ocorrem duas ou três avalanches durante o filme inteiro onde apenas uma tem real impacto nos alpinistas, impacto esse que é resolvido em poucos segundos não resultando em qualquer baixa, porque na verdade não é a iminência desse tipo de acontecimentos que é o verdadeiro inimigo, mas é sim a constante exposição ás baixas temperaturas e a falta de oxigénio que paulatinamente cria no corpo humano os efeitos mais mortais da expedição, e quando chega o momento das fatalidades, as mesmas não são retratadas com heroísmo mas sim com um realismo de simples seres humanos a atingirem o seu limite, garantindo dessa forma uma experiência mais visceral. Não será certamente surpresa para ninguém de que os locais das filmagens têm uma incomparável beleza natural e os pequenos truques de realização ajudam a tornar a expedição credível, mas os técnicos sonoros encontram-se de parabéns pela recriação dos sons avassaladores que imergem toda a audiência nesta história de coragem e cooperação.

Recomendação Final: Como poucos do seu género, “Evereste” relata os acontecimentos de forma honesta sem atirar constantemente avalanches vindas do nada só para criar mais tensão. A maioria dos atores principais respeita as personagens que retratam e são credíveis com as suas ligações emocionais ajudados por uma realização mais do que competente e alguns arranjos visuais e sonoros de cortar a respiração. A prova de que um filme baseado em factos verídicos, não necessita de hiperbolizar esses acontecimentos para prestar uma sentida homenagem aos intervenientes reais.

Classificação final: ★ ★ ★ ★ (4/5)

 

Notícias Relacionadas:

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *